Publicado em POESIA

Meu viver , meu ser.

Foto por Elina Krima em Pexels.com
 Ela mora sozinha
 Nunca desejou ter relacionamentos
 Nem casamentos.
 Tem  trinta e seis ventos
 E mil e um argumentos
 Para não viver uma vida de aborrecimentos
 Para a sociedade e jumentos.
  
 Ela levou muito tempo
 Sofreu com vários eventos
 Mas logo percebeu
 Que tudo que é seu
 É de mais ninguém.
 Sua felicidade sempre vem
 De acordo com sua identidade
 E  vontades. 
  
 Ninguém a compreende
 E nem quer ser compreendida
 Apenas deseja ser
 Uma borboleta libertina. 
 Sua rotina
 É sua alegria.
 Seu trabalho
 Uma fantasia.
   
JRM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s